Autor: Pedro Lucas Porto

Resenha: As vantagens de ser invisível

Certamente você já leu por aí (quem sabe no seu feed de notícias do Facebook ou numa imagem fofinha do Instagram) a frase “Eu me sinto infinito”. Claro, a esta altura, você também já sabe de onde ela é. E é isso mesmo: ela está no livro As vantagens de ser invisível. Mas será que você sabe a história sobre ele? No romance de Stephen Chbosky, Charles é um garoto recém saído da puberdade e que passa por uma série de transformações e conflitos típicos da idade. A relação com sexo, drogas, preocupação com o futuro, Sam, Patrick, sua...

Leia Mais

Resenha: Um dia

Tenho que confessar: não sou do tipo que se emociona ao ler um livro. Mas depois de terminar ‘Um dia’ ficou bem complicado dizer isso com tanta certeza. ‘Um dia’ é daqueles livros para a vida. Sim, para a vida. Porque não é só um livro de romance em que a menina nerd se apaixona pelo garanhão da escola e sofre anos por esse amor. Nada disso. ‘Um dia’ vai além e provoca reflexão, tira sarro e desafia o leitor a repensar muito de suas atitudes. A história conta como Emma e Dexter, em meados de 15 de julho de 1988, começaram sua relação...

Leia Mais

David Yates e A Lenda de Tarzan: Resenha crítica

A Lenda de Tarzan estreou na última quinta-feira, 11, e já deu o que falar. Com cenários espetaculares, direção de fotografia incrível e efeitos especiais de tirar o fôlego, o longa-metragem tem vários motivos para levar você ao cinema. Dirigido por David Yates, o filme conta a história de um menino órfão criado por gorilas na selva e que depois tenta se adaptar à cidade de Londres. Na década de 30, Tarzan (Alexander Skarsgard), já casado com Jane (Margot Robbie), é convidado para retornar à selva onde passou maior parte de sua vida a fim de servir como missionário do Parlamento Britânico, em...

Leia Mais

Resenha: Se houver amanhã

Sidney Sheldon é de longe um dos melhores escritores de todos os tempos. Em sua coleção, estão 250 roteiros para TV, 6 peças para a Broadway, 18 romances e 25 filmes. Não precisa nem dizer que o cara tinha moral para fazer o que quisesse.   Com escrita simples, mas ousada, o autor norte-americano consegue despertar nos leitores os mais diversos sentimentos, mesmo que na maioria das vezes a adrenalina seja a grande estrela. Grande exemplo disso é que em seu livro Se houver amanhã, Sheldon eleva a capacidade do leitor de surpreender-se e perder o noção de limite. É preciso avisar antemão que ler...

Leia Mais