A Justiça Federal negou o pedido de revogação da prisão temporária do casal que administrava o site Mega Filmes HD, site este que oferecia filmes e séries piratas, afirma o advogado Thiago Bellucci. Segundo ele, o argumento que a 1ª Vara da Justiça Federal em Sorocaba (SP)  alegou foi que as investigações não se encerraram e a liberdade dos investigados poderia, de algum modo, atrapalhar as investigações. O casal de Cerquilho (SP) recebia R$ 70 mil por mês, segundo a Polícia Federal, e o site tinha 60 milhões de visualizações. O casal está preso na Polícia Federal em São Paulo.

Advogado de casal pediu revogação da prisão temporária (Foto: Reprodução TV TEM)

Mas para Bellucci, não há razões para a prisão temporária, por isso afirma que entrará com habeas corpus no Tribunal Regional Federal (TRF) em São Paulo (SP). “Estamos indo ainda hoje (quinta-feira) para protocolar o pedido de habeas corpus”, diz.

O advogado explica ainda a diferença entre os dois pedidos feitos à Justiça. “É que a revogação pedia a anulação da prisão temporária, enquanto o habeas corpus prova que a prisão temporária é irregular, já que os crimes de violação de direitos autorais e associação criminosa não são passíveis de prisão temporária, assim como homicídio ou sequestro, por exemplo”, afirma.

Ainda segundo ele, a alegação da 1ª Vara da Justiça Federal de que os suspeitos podem prejudicar as investigações, não corresponde a realidade. “Meus clientes contribuíram delatando os outros integrantes do grupo, também deram login e senha da administração do site para retirá-lo do ar. Vou a São Paulo protocolar o pedido e avisar meus clientes sobre a decisão”, finaliza.