Passeando pelo Netflix, como de costume, me deparei com um filme chamado La Once, de 2014. O filme aparece com esse título, mas pesquisando mais sobre ele, descobri que chegou ao Brasil com o título A Hora do Chá.

A foto do filme, bastante atraente, exibia uma mesa elegantemente posta, com diversos comes e bebes dignos do filme Maria Antonieta. Na mesa, algumas senhoras de idade muito descontraídas e fofas.

A sinopse dizia: “A documentarista Maite Alberdi registra o encontro de sua avó com amigas para tomar chá e conversar, um ritual mensal que elas honram há 60 anos”.

Como o filme era curtinho, percebi que seria ideal para ver antes de dormir. E assim comecei e tive uma grata surpresa.

A diretora, Maite Alberdi, é bastante hábil. Ela posiciona as câmaras quase sempre em locais da própria mesa, o que nos coloca em posição de igualdade com as senhoras protagonistas. É como se também estivéssemos participando deste chá, onde as mulheres conversam sobre assuntos aleatórios. Assim, conhecemos a visão delas sobre religião, casamento, sociedade, machismo, homossexualidade. São visões plurais, intercaladas de firmeza e docilidade, e de uma falta de pudor para manifestar opiniões, já que fazem parte de um momento de intimidade e cumplicidade que elas possuem há tantos anos.

Os encontros também são cheios de lirismo. Cartas de amor antigas são lidas, músicas românticas que marcaram a época delas são cantadas. Tudo com muito saudosismo.

A força implacável do tempo também aparece no filme, já que, a cada ano, a quantidade de participantes na mesa diminui, deixando um certo ar de melancolia presente.

O esmero com que as comidas são feitas e apresentadas serve como uma metáfora perfeita para a amizade delas. Amizade construída ao longo de mais de 60 anos. Em determinado momento, com poucas senhoras a mesa, uma delas chega à conclusão que depois de 60 anos, elas não precisam estar presentes para estar juntas. A frase, que poderia se transformar num clichê, é mostrada com tanta verdade e sentimento, depois de acompanharmos elas juntas nestes anos todos, que acaba se tornando um marco para o filme.