Aconteceu Naquele Verão, doze historias de amor. São casos de amor e desamor reunidos de forma bem organizada e escrito com uma linguagem bem jovem e adulta, detalhada e dando ênfase as férias dos americanos. São historia que remetem lagos, praias, calor, pouca roupa, amizades, ganhos, perdas e claro os amores.

Bem-vindos à estação mais ensolarada e apaixonante de todas! No verão, somos todos iguais, diz um dos personagens do conto “Mil maneiras de tudo isso dar errado”. No Brasil, nos Estados Unidos ou em qualquer lugar do globo, uma coisa é certa: no verão, nossos corações ficam mais leves, mais corajosos, impetuosos e confiantes – talvez por isso esta seja a estação perfeita para se apaixonar… e Aconteceu naquele verão é o livro ideal para quem adora histórias de amor.

Mas essa coletânea tem algo ainda mais especial. Algumas histórias têm uma pitada de estranheza, de mistério, um toque sobrenatural. Em “Cabeça, escamas, língua, calda”, a lagoa de uma cidadezinha é morada de um monstro marinho que só uma menina vê. No intrigante “Inércia”, dois grandes amigos há muito afastados vão se encontrar num quarto de hospital para uma última visita. No belo “O mapa das pequenas coisas perfeitas” é sempre dia 4 de agosto. Presos num loop temporal, dois jovens vão comprovar do que a força do amor é capaz.

A lição é simples: o amor não escolhe lugar nem hora para surgir. Coloque seus óculos escuros e abra sua cadeira de praia, porque neste verão você terá doze motivos para suspirar e se apaixonar.

Quem não gostaria de viver uma historia de verão, uma paixão de momento ou algo que não tivesse proporção?

Eu sou uma pessoa que amo títulos, isso mesmo (títulos), fui lendo cada um dos contos pra ver qual me interessaria logo, vi alguns autores que poderiam me interessar mas o título não me chamou muita atenção até que “O Fim do Amor” e “Inércia” me chamaram atenção.

O Fim do Amor, Nina Lacour.

Esse conto me surpreendeu, ele trata a vida de Flora, uma jovem que esta passando por um momento delicado na vida, a separação dos pais. Ela relata tudo que esta sentindo sobre essa situação que aparentemente seus pais estão levando numa boa e estão mais felizes até. Para evitar passar o verão todo presa em casa com eles, ela decide se inscrever em um curso de verão de Geometria, ela era a melhor da classe.  O próprio professor da matéria não consegue entender o que ela está fazendo ali, já que é uma ótima aluna e poderia aproveitar melhor suas férias. Mas o universo não falha e são nessas aulas que ela reencontra Travis, Hope e Mimi (esta última foi/é a primeira verdadeira paixão de Flora). O conto me chamou atenção pelo nome, imaginei algo bem trágico, uma forma de finalizar esse amor, outra parte que chamou atenção foi a forma como ela se sentia em relação a separação dos pais, meus pais são separados também. Adorei como ela conseguiu entender tudo que estava acontecendo, com ela, com os pais e seus sentimentos. A autora me segurou do inicio até o final, me surpreendeu quando entendi que Mimi era o grande amor de Flora, ela detalha de uma forma gritante.

Inércia, Veronica Roth (meu conto preferido)

No intrigante “Inércia”, dois grandes amigos há muito afastados vão se encontrar num quarto de hospital para uma última visita. Bem, me apaixonei por esse conto, simples assim. Me surpreendeu, fez meu coração acelerar e sentir a raiva, desespero, dor da perda, um bom conto tem que fazer isso, te deixar vivenciar os momentos. O Conto já começa no meio da madrugada com alguém que não fala com Claire a muito tempo, esse alguém é Matt, ele quer falar com ela na sua ultima visita, (explicando o que é a ultima visita: quando a pessoa esta prestes a morrer, ela pode ter acesso as suas memorias com outra pessoa de sua escolha e lá pode reviver esse momentos ou dar apenas um adeus), ela não entende bem o que se ex-amigo quer falar com ela em sua ultima visita, mas mesmo com todo receio ela vai até o hospital dar esse “adeus” ao seu ex-amigo. Matt então mostra a ela as suas lembranças favoritas e Claire retribui, com os momentos favoritos e os mais dolorosos que passaram juntos. Então ele diz a ela o que pelo visto ela não enxergou, ele a ama. Mas, Claire esta passando por um momento difícil, entrou em depressão devido sua mãe biológica ter a deixado pela segunda vez, sem explicações. Ele pede em suas lembranças que ela lute. Matt passa pela cirurgia que decidiria se ele morreria ou viveria, ele mostra aos médico que ficará mais tempo em terra e Claire recebe a tão desejada pergunta:

-Claire… você me ama?

-Isso. Eu amo você.

Gente nunca chorei tanto em um conto como em “Inércia”, alguns rumos da vida, muito parecidos com o conto ajudaram nas lágrimas, mas o livro todo é incrível. Cada conto com sua peculiaridade.