“Não abra os olhos”.  Esse imperativo predomina em toda a trama do livro Caixa de Pássaros.

Essa é a história de Malorie que é uma jovem que vive em Michigan junto com sua irmã Shannon. As duas se mudaram para Michigan e logo após a chegada das meninas na cidade surgiram os primeiros boatos de terror nos noticiários mundiais. Em várias partes do mundo pipocavam relatos de pessoas que enlouqueciam ao olharem alguma COISA, sem que fosse possível saber o que era essa bendita coisa.

Foi nesse momento caótico que Malorie descobriu que estava grávida de um jovem que havia tido um relacionamento casual.

Malorie, grávida e contando apenas com a companhia da irmã, compartilha do medo que se espalha pelos habitantes da cidade. Logo, as pessoas começam a trancar as janelas e portas das casas e utilizam lençóis para cobrir todas as janelas a fim de evitar qualquer visão do lado de fora das casas. A princípio, parece um grande exagero ou que todos enlouqueceram, mas nada resta a fazer a não ser se esconder do perigo iminente que está do lado de fora.

Ninguém ousava sair de casa e mesmo nos casos de extrema necessidade, como ir buscar água no poço, era necessário ir de olhos bem vendados. Para conseguir viver um único dia, é necessário vencer uma guerra.

O mundo virou um caos, o verdadeiro apocalipse. As ruas ficaram desertas e poucos foram os sobreviventes. O que mais assustava era que o inimigo não tinha forma, nome, cor. Não era possível saber se era uma criatura, um espírito, um animal. Durante todo o livro isso vai martelar na sua cabeça.

É difícil acreditar que esse é o livro de estreia de Josh Malerman, pois a escrita é irretocável e o jogo na trama de intercalar passado e o presente prendem completamente a atenção do leitor.

Esse é um livro alucinante e pra ler sem parar. Eletrizante, arrepiante… Caixa de Pássaros vai te fisgar na primeira página. A história tem margem para que haja uma continuação e de fato é o que mais espero que aconteça.