Você já foi proibido de entrar no cinema com pipoca e refrigerante comprados fora do estabelecimento deles? Ou, de alguma forma você tem receio de ser barrado?

Umas das reclamações mais comuns de quem costuma frequentar sessões de cinema é o preço dos alimentos vendidos ao público. Itens comuns como pipoca, água e refrigerante podem custar até mesmo cinco vezes mais do que nas gôndolas de supermercados – um aumento estratosférico e que pode deixar o preço da alimentação superior ao do próprio ingresso (que passa fácil dos R$ 20).

Não raro, a administração do cinema sugere ou exige que os comes e bebes sejam comprados no local, proibindo a entrada na sala com comida trazida de fora. Conforme a advogada Claudia Almeida, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, trata-se de uma prática abusiva. “Configura venda casada”, explica.

Mas e os preços? Aí vai da escolha do consumidor, avisa, porque os estabelecimentos têm liberdade para a fixação de valores. Se o cliente considerá-los proibitivos, não é obrigado a adquiri-los. E pode pesquisar em outros locais.

Foi o que fez o médico Gustavo Telles Corrêa. Insatisfeito com o alto preço da água mineral nos cinemas de Porto Alegre, ele conta já ter assistido filmes muitas vezes com uma garrafinha buscada no supermercado. E nunca foi molestado pelos fiscais da sala – se bem que ele não tem certeza se ingressou com a água na mão ou se pediu para a namorada guardá-la na bolsa – uma artimanha clássica para fugir dos altos preços e evitar constrangimentos, mas que não funcionaria com um saco de pipoca.

“Uma coisa é cobrarem mais em um bar. No cinema talvez não precise tanto. É demais”, queixa-se.

No caso da garrafinha d’água, a diferença ia de menos de R$ 1 no supermercado para R$ 5 ou R$ 6 na sessão. Há outros exemplos inflacionados: um pacote com balas pode sair pelo triplo do preço, e um copo de meio litro de refrigerante valer o dobro de uma garrafa de dois litros.

O que pode ou não pode
::: Preço
Quanto ao preço, os estabelecimentos têm liberdade para fixação de preços. Cabe ao consumidor pesquisar e exercer o seu poder de escolha.

::: Venda exclusiva
Quando obrigar o consumidor a comprar alimentos vendidos pelo cinema o Idec considera essa prática abusiva, pois configura venda casada. E venda casada é CRIME.