Quando a Netflix anunciou há pouco mais de dois anos seu plano de investir em conteúdo original, com Lilyhammer como a primeira obra, muita gente ficou com um pé atrás. “Como assim um canal de streaming vai lançar conteúdo igual – ou melhor – que as séries das grandes emissoras?” era um pensamento recorrente. Muitos acharam que não ia dar certo, menos a Netflix.