Olá pipoqueiros, turubom?

Tô sumida, mas tô viva. Confesso que minhas leituras não estão fluindo da maneira que eu gostaria, mas estou indo com calma.
Essa leitura foi um bálsamo, depois de tentar começar várias leituras e não conseguir.
O livro Não é errado ser feliz de Linda Holmes e lançado pela nossa parceira Editora Intrínseca é um amorzinho e eu posso provar.

Sinopse:

“Em uma cidadezinha costeira do estado americano do Maine, Evvie Drake raramente sai de sua casa enorme e vazia, mesmo um ano após a morte do marido. Todos na cidade, inclusive Andy, seu melhor amigo, acreditam que ela fica trancada ali porque ainda está em processo de luto — e Evvie certamente não faz nada para mudar essa impressão. Já em Nova York, Dean, ex-arremessador profissional e amigo de infância de Andy, vive o pior pesadelo de um atleta em sua posição: não consegue mais arremessar e, o pior de tudo, não faz ideia do motivo. Enquanto a imprensa trata de cobrir seu fracasso com uma insistência voraz, o convite de Andy para que passe um tempo no Maine parece a oportunidade perfeita para recomeçar.
 
Quando Dean se muda para o apartamento anexo à casa de Evvie, os dois fazem um acordo: ele não fará perguntas sobre o ex-marido dela, e ela não vai perguntar sobre a carreira dele no beisebol. Mas na vida, como no esporte, tudo pode mudar, até o último segundo. E assim tem início uma inesperada amizade… com potencial de se tornar algo mais.”

Resenha

Quando Evvie perde o marido, todos a seu redor a tratam como a viúva que tá sofrendo. Ninguém sabe que no fundo, ela estava bem cansada do casamento “perfeito”. E quando Dean se muda pro anexo da casa de Evvie, os dois fazem um acordo de não perguntarem nada sobre as suas dores, e parece o acordo perfeito.
Como a Evvie é uma personagem cheia de lutas internas, é fácil se identificar. Eu amei a leitura e a personagem. No fundo, é apenas mais uma pessoa com seus corres, e parece que ninguém tá realmente enxergando o que tá acontecendo. Ou ela mesma esconde tão bem, que fica complicado.

O que achei

Não é errado ser feliz é um livro bem gostoso, daqueles que você lê pensando: esse livro vai me destruir. O livro tem aquele monte de diálogos interessantes que você fica se perguntando como não consegue ter uma diálogo assim com ninguém, além de si mesmo.

Evvie⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Evvie é uma personagem que até dá vontade de odiar, mas fica complicado… Ela fica escondendo seus sentimentos e acha que tá protegendo todo mundo, mas na verdade só a prejudica. Ela não se abre, não fala de como se sentia no casamento, não conta pra ninguém tudo que aconteceu e no fim, ela meio que sufoca no próprio silêncio.

Dean

Dean é um cara que tá com problemas na profissão. DO NADA, o cara não consegue arremessar, depois de passar 11 anos sendo o melhor do mundo. Ele já tentou de tudo e não consegue descobrir o que aconteceu de fato com seu braço. Isso vai minando sua auto estima, sua confiança e tudo o que pensam dele é que ele se tornou um fracasso no auge da carreira. Bem pesado, tá? Mas a evolução dele é incrível também e ele é muito fofo!

Romance

O livro tem romance e fiquei ansiosa, mas também entendi que esse não era o foco. Me perdi um pouco na visualização dos personagens, não faço muita ideia se Dean é moreno ou loiro, buguei total. Mas a ambientação é maravilhosa… consegui entrar no anexo e assistir televisão junto com os dois. A construção da relação é aos poucos, e isso também foi um ponto alto.
Sem contar que Dean é um atleta, né? Eu logo visualizei um cara bonitão, grande, com mãos enormes e vamos parar para manter a postura, né?

Melhores amigos

Evvie tem um melhor amigo, Andy. Eu até tentei gostar dele um pouco, mas não tive sucesso. O personagem é legal, mas sabe quando não encaixa? É aquilo: nada contra, mas… Andy é um cara divorciado, que a mãe das crianças foi embora e deixou ele como pai solteiro. Eu achei a representação ótima, mas algumas ações dele me dera raiva. haha

Importância da fala

O livro tem uma questão importante também sobre o abuso no casamento. Existem abusos psicológicos que vão abalando a personalidade e auto estima num grau que realmente fica difícil levantar da cama, e isso é MUITO SÉRIO. Tá sendo ótimo ver isso estampado em livros e em personagens como a Evvie, que conseguem identificar e cuidar desses danos. É importante não romantizar jamais um abuso e saber lidar com ele. Buscar ajuda profissional é um dos fatores importantes e que amei nesse livro.

No fim

O que me resta dessa obra é saber que a personagem evoluiu. Foi bom ver a Evvie entender que precisava de ajuda e que merecia mais. Isso no fim vale a pena. O livro é leve, fluido, gostoso de ler. Não é um livro que você leva pra vida inteira, gravado na memória, mas é um livro que te dá aquele quentinho no coração e te deixa bem. E quem não tá precisando nesse momento, né?
Por fim, é isso. Eu amei a obra e achei super gostosa de ler. Uma leitura que eu precisava nesse momento ruim que estou, que não consigo focar em anda. Fluiu muito bem pra mim e espero que vocês também gostem. Não esqueçam de me contar o que acharam. Segue a gente lá no instagram, adoro vocês lá também.
Share:

author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *