Olá pipoqueiros, tudo bem com vocês?

Provavelmente é uma das resenhas mais difíceis da minha vida, porque é um livro que realmente mexe com tudo que você tem na mente, te dá uns 5 chutes e te deixa jogada no chão em posição fetal.

Esse é Minha sombria Vanessa, lançado pela nossa parceira Intrínseca, primeira obra da autora Kate Elizabeth Russell. Convenhamos que a autora é corajosa de se lançar no mercado com um livro tão intenso.

Minha sombria Vanessa conta a história de Vanessa Wye, uma adolescente de 15 anos que não sossega enquanto os pais não autorizam a ida dela pra um colégio interno bem conceituado. Ela consegue bolsa para estudar lá e não vê a hora de ter o ensino e a dedicação que acha necessária para o sucesso.

Então assim, aos 15, Vanessa se muda pra um dormitório no colégio interno, passa a ter aulas mais cults e intensas e segue sua vida.

Nessa rotina, sem amigos e completamente isolada socialmente, Vanessa vê no professor Jacob Strane uma pessoa interessante. Ele a acha bonita, diz que ela é madura pra idade, que é muito inteligente e elogia tudo que ela acha que ninguém se importa. O GIGANTESCO problema aqui é que ele tem 42 anos.

Agora é a hora que eu aviso que esse livro não é pra pessoas sensíveis a temas como abuso e pedofilia. O cara tem 42 ANOS e ela tem 15 ANOS. Isso definitivamente não é uma história de amor.

Então porquê devemos discutir essa história?

Obviamente Vanessa é o retrato de muitas meninas da mesma idade. A insegurança da adolescência, aliada ao pensamento frequente de que nunca é o bastante para ninguém é uma porta aberta a predadores como Strane.

A Vanessa é uma personagem fenomenal, porque o ódio que sentimos das atitudes dela é contraditório o tempo inteiro, visto que ela é a vítima.

A Vanessa se apoia num discurso de que sou a vítima apenas se eu me intitular assim. Esse comportamento faz com que o leitor às vezes tenha certa aversão à personagem, mesmo que não nos faça normalizar ou banalizar o que ela passa.

As cenas da primeira vez dela com Strane, e primeira vez dela com qualquer homem, é de revirar o estômago. A gente sente a bile voltando e só quer que aquilo acabe de uma vez.

Gente, esse livro não é fácil. Totalmente arrebatador, se tornou um dos melhores que li esse ano. Confesso que odiei a personagem, senti tanta raiva dela em alguns momentos que me senti até mal por esse sentimento.

O livro é todo narrado pela Vanessa, seja aos 15 ou aos 34. A gente analisa de dentro como funciona a cabeça da vítima sendo manipulada pelo abusador. A forma como ela reage, a noção que ela tem de que aquilo é muito estranho e ao mesmo tempo, o medo de ficar sozinha e estigmatizada.

Durante essa narração, a gente tem uma ideia de como tudo começou, de como Strane se aproximou dela e de como a vida dela caminhou dai pra frente. Com a Vanessa adulta, vemos que todas as ações e reações dela adolescente a transformaram em alguém que não consegue seguir a vida. E é incrível como a presença de Strane é sentida em cada momento, mesmo ele não estando.

A Vanessa adulta é ainda mais surreal que a jovem. Ela tem alguns comportamentos tão bizarros que a gente acumula um ranço durante a leitura. Mas a redenção chega em algum momento.

Vanessa é complexa e intensa, mas jamais poderia dizer como eu reagiria no lugar dela. E aqui está o ponto principal de eu ter amado a leitura. Embora eu tenha odiado a Vanessa na maior parte do tempo, eu entendi que não é meu lugar de fala. Entendi que aos olhos de Vanessa, aquelas foram as melhores ações… e quem sou eu para julgar?

No entanto, a dor é tão crua que a gente sente o tempo inteiro. De verdade.

A forma como Strane quebra as defesas de Vanessa é clássica e atemporal. A fragilidade dela transformada em força, como se ela devesse se orgulhar de algumas coisas que ela sente vergonha, como se ela fosse negligenciada pela sociedade e só ele a enxerga de verdade. A maneira como a Vanessa cai nessa história e ao mesmo tempo não, a forma como ela acha um absurdo mas o jogo tem que continuar.

O fim é tudo que eu esperava, uma sensação de sair do escuro, de começar um passo de cada vez. É sensacional. Indico a leitura a quem não tem problemas com o tema, mas também é uma ótima leitura de estudo da mente de uma vítima e de como o abusador alcança cada uma de suas fraquezas.

Mais um excelente livro da editora, com diagramação perfeita, capa incrível e um enredo arrebatador.

E você, já leu? Conta pra gente…

Nos vemos em breve.

Share:

author

9 Comments

  • Carol Nery, jul 20, 2020 @ 10:34 Reply

    Interessante como um pode falar de diversas formas com as pessoas, né? Não gostei de jeito nenhum dessa leitura. Assim como Nabokov escreveu uma obra de arte (Lolita) e mesmo com devoção à sua forma de escrita, não suporto o livro. Aqui também acontece o mesmo. Achei a autora brilhante em sua escrita, em sua forma de contar a história e de cativar seu público a continuar na história. Mas já percebi que esse tipo de livro não me agrada.
    Adorei sua resenha. Eu ainda acho que vou resenhar esse! Então, foi muito legal ver e perceber a visão de outra pessoa a respeito da mesma obra.
    Abraços

  • Valéria, jul 20, 2020 @ 09:14 Reply

    Olá, Denise. Nossa,. impossível não lembrar de Lolita quando a temática aborda esse tema. Certamente deve ser uma narrativa bem pesada e nem todo mundo tem estômago pra ler um livro assim, que acaba mexendo com nosso psicológico. Eu até leria, mas não no momento atual…
    Fiquei curiosa em saber como a autora trabalhou a construção dos personagens…
    Tschüss 😘

  • Karina RODRIGUES, jul 20, 2020 @ 08:40 Reply

    Oie, tudo bem?
    Então, eu comecei esse livro mês passado, mas foi um soco na boca do estômago. Como vc disse, a dor que vc sente durante a leitura é real e palpável e eu comecei a sentir tanta raiva das atitudes da Vanessa que comecei a me sentir muito mal por julgar a vítima. Acabei dando uma pausa e não retornei, quem sabe em um outro momento eu alcanço a luz no fim do túnel que vc encontrou?!
    Acredito que então, só por ser capaz de criar tantas reações e reflexões, a autora já tenha se mostrado como alguém que chegou pra ficar, neh?

  • Letícia Guedes, jul 19, 2020 @ 23:03 Reply

    Gente, que proposta ousada e perigosa! A autora tinha muitas chances de cair sem querer em uma romantização do relacionamento abusivo. Que bom que isso não aconteceu. Fiquei bem curiosa pra fazer a leitura, ainda que um pouco preocupada, porque quando a protagonista é difícil de conviver, fica complicado pra mim kkkk de qualquer forma, assim que eu conseguir, vou adquirir o livro. Ótima resenha. Abs!

  • Erika Monteiro, jul 19, 2020 @ 22:55 Reply

    Oi, tudo bem? Já vi alguns comentários sobre o livro e realmente o enredo é muito intenso. Acredito que romance pode acontecer em qualquer idade. Porém, a forma como isso ocorre é que é o problema. Se é tóxico, se nos faz sofrer, se nos afasta de nossas famílias, se nos torna submissas, então é alguém de quem precisamos nos afastar porque as marcas ficarão pra sempre. Um abraço, Érika =^.^=

  • Victoria, jul 19, 2020 @ 21:18 Reply

    Caramba, senti a intensidade do livro daqui… Confesso que fiquei até em dúvida se aguentaria ou não ler, por já ter passado por relacionamentos abusivos. Mas acho que é um tema tão importante que valeria a pena ler. Muito obrigada por essa resenha, de verdade. É um tema que precisa ser falado e muito difundido pra que meninas, como a Vanessa, consigam identificar os sinais e sair de relacionamentos assim o mais cedo possível!

  • Debora Sapphire, jul 19, 2020 @ 20:59 Reply

    Entendo porque essa é uma das resenhas mais difíceis da sua minha vida! Realmente, achei que a autora foi ousada em escrever um livro tão intenso e abordar um tema tão denso como o abuso e pedofilia. Confesso que eu não conseguiria digerir esse tipo de livro. Já que nota-se mesmo que é um livro que vai mexer com tudo o que você tem na mente. Nunca li algo assim! Enfim, ótimo que o livro tenha sido tudo que você esperava! Concordo que é interessante para entrar na cabeça da vítima e conhece como o abusador explora as fraquezas da mesma. Fica como um alerta.

  • Ana Claudia, jul 19, 2020 @ 19:24 Reply

    Menina, que história! Não sei porquê, ao ler sobre a Vanessa, lembrei-me da personagem central de “O Jardim das Borboletas”. Vai entender o motivo! Mas fato é que mesmo abordando temas tão intensos, assim com a característica base da protagonista, eu super me senti interessada,. porque são leituras que nos sacodem e nos tiram da zona de conforto, o que valorizo pra caramba. Geralmente fico dias pensativa! Sobre ser uma das resenhas mais difíceis de se preparar, parabéns, pois ficou supimpa! Construtiva e nos dando vontade de ler a obra! Bjs

  • Cibele, jul 19, 2020 @ 16:25 Reply

    Olá!
    Esse é um livro que super quero ler e estou esperando conseguir uma promoção para adquirir. Gosto de livros mais pesados, e tenho certeza que esse mexe muito com o leitor e precisa ter um estômago forte pois com certeza tem vários gatilhos.
    Já li um livro muito pesado e te entendo por sentir raiva da personagem, mas depois entendemos que ela é tão vítima que não percebe o que faz e o que fala. Acho super importante falarmos sobre livros assim, pois infelizmente sabemos que isso acontece muito hoje em dia e as pessoas acham normal um relacionamento com tanta diferença de idade. Amei sua resenha, e ela só aumentou minha curiosidade em ler esse livro.
    Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *