Olá pipoqueiros, turubom com vocês?

Vamos falar daquele tipo de livro que você espera uma coisa e vem um tapa na cara te mostrando que não é nada daquilo?

Hoje vamos falar do livro Não se humilha, não, da Isabela Freitas, lançado pela editora Intrínseca. Esse é o quarto livro da série, mas como a gente gosta de contrariar as regras, começamos por esse. Esse livro é, na verdade, a introdução da história da Isa, então a gente começa a entender como ela chegou nesse rolê dos livros. Por isso, não fez tanta bagunça ler fora de ordem.

Clique para acessar todas as resenhas de Isabela Freitas

Preciso falar que eu achava que o livro era meio auto ajuda e imaginei que não ia me agradar. É nesse momento que eu me surpreendi total, porque AMEI o livro. Ele tem sim um discurso meio incentivador, mas nada relacionado a autoconhecimento forçado, sabe?

A Isa é uma universitária que só quer um amor pra chamar de seu. Mas claro que ela quer o pacote completo, um cara bacana, que a trate bem, que saiba conversar, que seja inteligente e que tenha uma química, né, porque ninguém é de ferro. No fundo, ela tá cansada dos relacionamentos vazios e de sempre achar que encontrou a pessoa certa, apenas para se decepcionar no final.

A Isa tem uns amigos lindos e fofos, o Pedro e a Amanda, que são parceiros para qualquer hora. Ela conhece o Gustavo na faculdade, o cara bonitão, rico e todo simpático. Ela nem consegue acreditar que um cara desse olhou pra ela.

O livro começa com uma treta dela com o Gustavo, um prólogo que eu acho que tem a ver com os livros anteriores, mas como ainda vou ler os 3 primeiros volumes, não posso afirmar que isso aconteceu antes. Dai, o desenrolar do livro é a forma como eles se conhecem, o grude dele (MINHA NOSSA SENHORA DO NAMORADO CHATO) e do relacionamento deles.

A Isa tem uma base muito boa em casa e eu acho que isso faz toda a diferença pro tipo de personagem que a gente tem. Apesar dela não se livrar do embuste, dela se culpar e dela achar que algo pode estar errado com ela, no fundo ela sabe que está em algo super abusivo. Ela tem plena consciência de que as coisas não estão legais e que não poder falar com os amigos, por exemplo, é uma coisa extremamente ridícula da parte dele. Ela sabe também que controlar até o que ela veste, não tá bacana.

O livro é intercalado na história acontecendo entre eles e os amigos e com os conselhos sobre essas situações. A Isabela insere em cada parte que acontece algo relacionado ao abuso sofrido. O que eu achei incrível é que não é o livro que te faz sentir mais culpa, ele mostra que TÁ TUDO BEM sentir culpa, que é normal, mas que não é o certo. O livro mostra que apesar da culpa que você tá sentindo (ou no caso da Isa), essa culpa é toda criada pelo seu abusador e é toda dele.

Eu queria ter lido esse livro aos 15 anos e acho que deveria ser leitura obrigatória nos colégios do país inteiro. As meninas e meninos precisam saber que não é normal quando o seu parceirx te controla ou fica do seu lado 24 horas por dia. E é isso que a Isa vive, um romance de sonho, daqueles que fazem a gente suar de medo.

O Gustavo é um príncipe, se olhar de longe. Ele leva a Isa na porta do banheiro, ele manda mensagem todo dia, comemora todo mês de namoro e faz questão de estar presente. Ele quer saber onde e como você está e acha um absurdo você não estar com ele. A Isa começa a mentir e se sentir sufocada, com razão, né meus amores?!

A Isa acaba murchando ao longo do relacionamento, as notas da faculdade estão caindo, a amiga tá brigada com ela e a família não pode nem sonhar com o que tá rolando. Ela fica se justificando de que o cara vai mudar, mas a gente sabe que não é assim, né? De menina alegre e inteligente, a Isa acaba sendo a sombra de alguém que existiu. E ela se sente ainda pior porque sabe que precisa acabar com isso.

Totalmente encantada com a escrita da Isabela Freitas, super leve e fluida, mesmo falando de um tema tão pesado na sociedade. De uma forma coerente, ela consegue conversar sobre relacionamentos abusivos, sobre amizade e sobre como amor deve ser, de fato. Claro que a gente vai quebrar a cara um monte de vezes por ai, mas não precisamos ter que colar nossos cacos sempre, né? Às vezes, o amor próprio e bons amigos, ajudam a sair de situações evitáveis.

Nos próximos meses vou falar dos outros livros da autora, na ordem correta dessa vez. E no fim, juro encaixar mais uma opinião sobre esse quarto livro, quando entender o rolê inteiro.

Para finalizar o textão, se apoie sempre em que te ama e te valoriza. Além disso, SE VALORIZE. A gente tem certeza de que um monte de sapos vai aparecer parecendo príncipes, mas a certeza maior é de que cada um de nós merece o melhor.

Quando o livro ainda promete aquele amorzão de coração quentinho, a gente ama mais ainda. Posso até gostar dos thrilles e de ver sangue jorrando, mas ainda tem uma manteiga derretida aqui dentro do meu coração, tá? Amo casais fofos.

Um ótimo livro e uma leitura necessária a todas as idades, mesmo que alguns conselhos pareçam clichê á alguns níveis. Sem contar que essa diagramação – dona Intrínseca – você arrasou demais. Livro lindo, nas cores das capas, com entradas de capítulos cheios de frases impactantes. O tipo de livro que você quer marcar inteiro. Adorei.

Nos vemos em breve e fiquem em casa (LENDO).

Share:

author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *