Olá pipoqueiros, turubom?

Eu tô até receosa de fazer essa resenha, já que vim com tanta expectativa. Quando li Bodas de Sangue, do mesmo autor, adorei a forma como ele escreve e aborda as coisas.. mas não aconteceu isso em Recursos Desumanos.

O livro foi fornecido pela nossa editora parceira Gutemberg. A obra de Pierre Lemaitre é sobre crise, desemprego e a dificuldade de encontrar empregos após os 50 anos. A experiência nem sempre conta no mercado de trabalho, e isso é evidenciado nesse livro.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Embora seja uma obra intensa e cheia de detalhes, tudo muito bem detalhado pelo autor, em alguns momentos isso fica até demais. É tanto detalhe e coisas acontecendo que fica cansativo e enfadonho. O que era pra ser um livro com sofrimento, passa a ser sofrido.

 

O livro

A história conta sobre Alain, um cara que passou dos 50 anos e está há vários anos desempregado. A idade e a crise complicam ainda mais para Alain conseguir um emprego.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
De subempregos à “trabalhinhos ingratos”, Alain vai tentando sobreviver e bancar a casa que divide com a esposa. A situação é atual e pertinente, mas para mim, a forma abordada não funcionou.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Alain é chato, sem nenhum limite e tem umas atitudes muito babacas. Nossa, que ranço.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Quando Alain recebe uma proposta para participar de uma seletiva de emprego, ele decide que é a sua última chance de sair da vidinha que está e aceita qualquer coisa para conseguir a vaga. Isso envolve uma tomada de reféns e alguns atos ainda mais inescrupulosos…

Adaptação

⠀⠀⠀⠀⠀
O livro é adaptado pela @netflixbrasil e estou muito curiosa para assistir. Eu comecei o primeiro capítulo da série e é incrível que os primeiros capítulos tem basicamente as mesmas falas da primeira página do livro. BEM fiel, mesmo. Talvez eu venha contar em breve o que achei da série. O livro é bom, mas não é excelente. Acho que meu ranço pelo Alain dominou.

Eu ainda curto a forma que o autor escreve. Ele tem uma linguagem chula, que você consegue imaginar, tipo quando alguém fala do pregador de madeira que quebrou na mão ou de como a porta range ao abrir. Os termos que ele usa também são bem simples e adoro isso na escrita.

O meu bloqueio

Acho que o conjunto desse livro foi o personagem muito babaca, a demora para as coisas evoluírem e a forma como toda hora as coisas pareciam acontecer fora de ordem. Enfim, nenhum demérito ao livro, mas não é uma leitura fácil e que prende. Além disso, uma coisa que me incomodou demais foi a forma como o Alain descrevia as filhas. Falando fisicamente das meninas, me causou muito desconforto. O livro todo é narrado pelo personagem, então temos o cara o tempo inteiro.

Levei mais tempo que o normal para terminar, e embora o livro tenha um desfecho interessante, termino com essa sensação de que prefiro o Bodas de Sangue. Quem sabe no próximo as coisas mudem, né?

E você, já leu?

Nos vemos em breve.

Share:

author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *